Suscríbete a nuestro boletín
21 ene 2020
RAYANOS

O Infinito

02 junio 2019

O Infinito

A complexidade da coisa não poderia ser mais simples: o meu filho mais velho resolveu questionar-me sobre coisas de infinito

A complexidade da coisa não poderia ser mais simples: o meu filho mais velho resolveu questionar-me sobre coisas de infinito. Foi há um par de semanas e, como com tantas outras perguntas, apanhou-me desprevenido.

Apesar de ter oito anos, por acaso, até sabe que o “oito deitado” é o símbolo de algo interminável graças à opção de um videojogo retro, o Street Fighter II, que temos em casa desde a minha adolescência. Isso fá-lo intuir que o tempo não acaba, que o round não é cronometrado e, no centro da cidade, enquanto estávamos a pôr os cadeados nas nossas bicicletas para evitar a ocasião fazer o ladrão, vira-se para mim e diz-me:

- Papá, o universo é infinito! Não acaba! Estamos a ver o universo com o Ismael...

(O Ismael é o seu professor e quem, felizmente, o tem acompanhado nos seus primeiros anos de primária, despertando-lhe ainda mais curiosidade do que aquela que qualquer criança tem.)

- É verdade filho.

Digo, com toda essa certeza típica dum pai a esconder todas as dúvidas do mundo.

- E há mais coisas infinitas papá?

Na verdade, não estava à espera que a conversa continuasse, pensei que ficasse por ali com a minha convicção pseudocientífica. A minha mente estava já no vaivém espacial a caminho do universo da Feira do Livro de Badajoz, apesar de ainda ter os pés bem no chão a preparar o seu irmão, o meu pequenito, recém-desmontado da cadeirinha a pedir-me água enquanto lhe recordava as palavras mágicas de “se faz favor”.

- Sim filho, há mais coisas. Olha, por exemplo, os números.

Explico, orgulhoso de ser um homem das humanidades que nunca fugiu da matemática. Porém, oculto-lhe o estigma da inutilidade das letras em prol do pragmatismo dos números. Lembro-me dum amigo cartesiano me dizer que sem a matemática nunca conseguiríamos erguer uma ponte. Não lhe tiro a razão, mas quantos já atravessaram pontes feitas com palavras e com palavras evitaram que fossem derrubadas? No entanto, voltemos às perguntas do meu mais velho:

- Porquê papi?

- Porque não acabam. Começas no zero (acho que disse no um, mas não quero ficar malvisto na crónica...) e nunca mais podes conceber uma paragem. Existe sempre uma noção de que há mais para contar, que há mais números...

De boca aberta, testa suada de ter vindo a pedalar, e cabelo amagado pelo capacete, o meu gaiato não pôde ficar por ali. Continua a inquirir-me, a desviar-me a atenção daqueles livros expostos no Paseo de San Francisco.

- Papá, e o que é que mais há de infinito?

Caramba, o que é que havia de responder mais ao miúdo? Se sou sincero, o meu eu abrutalhado pensava responder “epá, vai perguntar a quem saiba e não me chateies!”. Por acaso, o Neandertal que há em mim não se sobrepôs ao meu alter-ego, mais civilizado, a esforçar-se para educar, o melhor que pode, estes dois satélites que rodeiam o planeta povoado pelo Luis e pela Elsa.

Tanto eu como a minha mulher somos conscientes de que fazemos parte dum sistema planetário repleto de pedagogia light, pós-moderna, líquida, num batido de sabores que prima pela ausência de valores. Sabemos bem que educar, hoje em dia, como diz Gilles Lipovetsky, é seduzir. Basta vermos como vários papás e mamãs se limitam a condescender, a ceder a caprichos, cheios de medo de perder o amor dos filhos se lhes disserem "não" ou se se virem forçados a assumir uma postura de autoridade paternal. É impensável uma criança ouvir, como tantos de nós ouvimos: “a pulga já tem catarro?”.

Uma educação de autoritarismo é terrível. Contudo, seduzir em vez de educar, usando a lógica da publicidade, do estímulo acéfalo ao consumo, é igualmente aterrador. Como diz o filósofo francês “a educação com sedução contribui para termos crianças hiperativas que não sabem lidar com os constrangimentos”, rematando a questão ao enunciar que “educar não pode ser seduzir, não é uma lógica de sedução”. A voz de Lipovetsky é uma, entre tantas, que se atreve a recordar que as crianças, apesar de serem o melhor do mundo, para serem adultos significantes, por vezes têm de descobrir que não são o centro do universo, que têm de se reduzir à sua insignificância...

Qualquer um que leia o que vou escrevendo, vê que não sou modelo para ninguém. Sou uma autoridade em dúvidas e em insegurança, mesmo que até tenha essa capacidade interpretativa (digna dum Óscar!) em frente aos meus filhos. Esta conversa interminável, este incomensurável inquérito, quase filosófico, do meu descendente mais velho é um exemplo de como não sou exemplo.   

No momento não me lembrei de Einstein, mas a minha espontaneidade trouxe ao de cima uma das suas máximas e respondi ao meu puto:

- Olha filho, a estupidez! A estupidez é uma coisa infinita!

A sua procura, a sua busca de entendimento de um conceito universal, uma verdadeira “santa inquisição”, acabou à gargalhada, levando o irmão a rir da melhor maneira, por contágio, sem saber porquê.

Para mim, infinito e eternidade são sinónimos imperfeitos e há muito, antes mesmo de adquirir o estatuto de progenitor, que abandonei a sua cruzada. Bastam-me as suas rizadas infantis. Por enquanto, ter um pai estúpido, ainda é divertido.

OPINIÓN DE NUESTROS LECTORES

Da tu opinión

NOTA: Las opiniones sobre las noticias no serán publicadas inmediatamente, quedarán pendientes de validación por parte de un administrador del periódico.

NORMAS DE USO

1. Se debe mantener un lenguaje respetuoso, evitando palabras o contenido abusivo, amenazador u obsceno.

2. www.rayanos.com se reserva el derecho a suprimir o editar comentarios.

3. Las opiniones publicadas en este espacio corresponden a las de los usuarios y no a www.rayanos.com

4. Al enviar un mensaje el autor del mismo acepta las normas de uso.

ÚLTIMAS COLUMNAS

ARCHIVOS

TAGS